Mistérios do Número 5 - A Quintessência

19/10/2012 20:38

 

Mistérios do Número 5 - A Quintessência


"Quem dentre vós pode tornar límpidas
as águas lamacentas? Deixai-as quietas e elas,
por si só, se tornarão transparentes..."

Lao Tsé

 
mistério número 5
Quando bem compreendidos, os números tem outro significado
Na alquimia o número cinco ocupa uma posição de destaque. Vem dela o nome quintessência; símbolo, de concepção alquímica segundo a qual os quatro elementos da antigüidade ( água, fogo, terra e ar ) devem ser complementados por uma quinta essência originária do elemento dominante imaterial do espirito do mundo. Sua participação na totalidade do Universo deveria ser acrescida mediante a atividade espiritual. Este quinto elemento, como coroação dos outros, era visto como o elemento vivificador e mencionado a águia do ar, a fênix no fogo, o golfinho na água e o homem na terra. A representação matéria viva deixa então de ser quaternária para ser quintenária e a sua formulação gráfica da matéria quintessência da é o pentagrama.
A matéria sem a quintescencia é considerada inerte[1] pois é esse "espírito" universal que permite a vivificação da matéria.

Neste ponto podemos dizer o que vem a ser a quintessência dos alquimistas. Na realidade é o mais alto aspecto da água. A água no universo se apresenta em sete níveis, cinco no plano material e dois do espiritual. Assim em ralação à vida orgânica a água se manifesta em cinco estados: Solido , Líquido, Gasoso, Vapor, e Quintessência.

Tales de Mileto e outros filósofos antigos afirmavam ser a água o principio de todas as coisas. Na realidade quando os sacerdotes e filósofos assim ensinavam eles na realidade não estavam se referindo ás formas da água do plano material, mas a um fluido potencial contido no universo. Esse princípio no Antigo Egito era representado por Kneph, o deus "não revelado". Simbolicamente era representado pela figura de uma serpente[2] ( emblema da eternidade ) circundado um jarro de água, com a cabeça suspensa sobre a água.

Dizem os alquimistas que quando a terra pre-adâmica era reduzida por Alkahest a sua primeira substância, é semelhante à água clara. O Alkahest é "O um invisível", a água, o primeiro princípio, em sua segunda transformação.

A água no estado de quintessência é o principio vital essencial vivificador do universo, o elemento transformador da mateira matéria inerte - quatro - em matéria viva - cinco - portanto um símbolo de transformação alquímica.

Mas, ainda existem dois estados mais elevados dá água sendo o mais elevado de todos a LUZ, gênese de todas as coisas, conforme ensinava o filósofo Tales de Mileto, e cita a própria Gênese Bíblica 1:2 O Espirito de Deus pairava sobre a face das águas...".

Essa natureza da água faz com que ela seja ela seja usada em grande número de rituais iniciatórios em todo o mundo e em algumas doutrinas conhecido pelo nome de batismo.

O batismo confere à pessoa, graças à natureza quintescencial da água, uma condição energética de volta à origem, simbolicamente representativa de uma transformação, o sair da materialidade representada pelo mistério quatro e o despertar na espiritualidade representada pelo mistério cinco.

A água é desde a mais remota antigüidade símbolo da pureza por isso o batismo com a representa a purificação do ser.

A data em que o batismo foi instituído perde-se na névoa do tempo desde que na antiga Índia era tido como rito de purificação nas cerimonias religiosas. Também no Antigo Egito era religiosamente praticado em cerimônias nas Pirâmides, e em alguma delas ainda hoje existe pia batismal em forma de sarcófago. Também na Grécia nos Mistérios de Eleusis o batismo com água já era praticado. Na religião hebraica o batismo não era pela água e sim pela circuncisão. João, o Batista, fez voltar à Palestina a prática do batismo pela água. Até mesmo Jesus recebeu essa forma de batismo no Rio Jordão, mostrando a sua importância.

Vale salientar uma visita feita por um sacerdote hebreu de nome Nicodemos a Jesus às escondidas dentro da noite. Naquele encontro Jesus disse que não entraria no reino de Deus aquele que não nascesse de novo da água e do espirito. Essa citação tem muitas interpretações mas entre elas a da necessidade do renascimento do batismo pela água da caminha espiritual.

Julgam que a água benta usada no catolicismo é de origem recente. Na realidade o seu emprego é muito mais antigo do que supõem, é um dos mais antigos ritos praticados no Egito, de onde passou para Roma pagã. Os sacerdote do antigo Egito aspergiam com água com água benta as imagens dos deuses.

O que faz com que aquilo que é inerte transmite-se em vivo é a água em sua quinta essência promove por isso o número cinco e um número relacionado com o lado biológico. As interações dos seres com o mundo e do mundo com os seres pertencem ao mistério cinco. A maneira como o ser interage a nível orgânico, como reage com o mundo exterior e como e como o mundo exterior age sobre ele a nível biológico.

Uma maneira básica de receber do exterior inclui-se, é claro, os meios de sobresistência biológica, assim sendo todo o sistema metabólico e digestivo está contido no mistério cinco.

Veremos agora que o número cinco está ligado a tudo o que é orgânico, a tudo o que se apresenta vivificado ou diretamente ligado às formas vivas.

O organismo tem apenas cinco fontes básicas de alimentos para se nutrir: Assim os alimentos tem como origem: Reino Vegetal, Reino Animal, Reino mineral, Água e Prana. A vida orgânica depende diretamente dessas cinco manifestações da natureza..

Existem cinco tipos básicos de alimentação vegetal: cereais ( sementes - massas ), féculas (raízes = batatas = massas e similares), frutas, folhas, caules[3].
Cinco derivados básicos de origem animal: Sangue, gordura, carne, ovos e leite.

Os alimentos a nível de metabolismo agrupam-se em cinco categorias: Proteínas, Glicídios ( Açucares ), Lipídios ( gorduras ), Vitaminas e Sais Minerais.

Vale salientar que em decorrência do mistério cinco o organismo não requer mais que cinco órgãos básicos ligados ao metabolismo e ao sistema digestivo/condutor/metabólico. Portanto, são necessárias apenas cinco as vísceras: rins, pulmões, baço, fígado, coração.

Estudamos em outra palestra que existem quatro reinos na natureza: Humano, mineral, vegetal, animal. Mas a ciência diz que os seres vivos distribuem-se em cinco grupos: Animal, vegetal, Fungo, Protista e Monera. Também são grupados como Vírus, Bactéria, Fungos, Animais e Monera.

Os animais podem ser: Mamíferos, Ovíparos ( aves, repteis e anfíbios ), Peixes, Crustáceos e Insetos.

Seja qual for o animal considerado, quanto ao tegumento ele se apresenta com: Pelo, Pluma, Escama, Placa e Glabro ( sem pelo ).

As formas reprodutivas também são cinco: Cissiparidade, oviparidade, parturição, e esporulação.

No organismo humano existem 5 glândulas de secreção internas: Testículo/ovário, Supra-renal, Tiróide, Paratiroide, Timo[4].

As secreções externas do organismo são: Suor, Lágrima, Urina, Esperma e Sucos Digestivos, ao mesmo tempo em que outras tantas são as que se processam em cavidades fechadas: Sangue, Líquido Sinovial, Liquido Céfalo Raquideano, Humor Vítreo e Humor Cristalino.

O organismo humano para viver depende de cinco fontes de nutrição: Vegetal, Animal, Mineral, Água e Prana. Vale dizer que cada uma dessa fonte contribuiu com cinco elementos para a alimentação:

Dos vegetais: Raiz, Caule, Flor, Fruto e Semente.

Dos animais: Carne, Leite, Ovo, gordura e Sangue.

Dos minerais: Hidrogênio, Oxigênio, Carbono, Cálcio e Pospores. ( O organismo depende de muitos outros elementos químicos, mas este é o grupo maior. Os demais elementos químicos em ordem de importância podem ser sucessivamente distribuídos em grupos de cinco.

Da água: Solida, Liquida, Gasosa, vapor e quintessência.

Do Prana: O prana que o ser absorve através da respiração apresenta-se com cinco variedades.

Quando à motilidade dos seres também o numero cinco está presente: Temos que considerar no que diz respeito a motilidade ativa e a passiva. Ativa aquele que se processa por um impulso ativo do ser, e a passiva aquela que depende de fatores externos:

Motilidade passiva: Parada, flutua, Levada pelo vento, Cai, Rola. ( Algo pode estar parado, pode flutuar, pode flutuar e ser conduzida pelas correntes aquáticas, flutuar nas correntes aéreas, e pela modificação do grau de inclinação de uma superfície ele pode rolar ).

Motilidade ativa: Fixo ( o ser agarra-se à algo ), Anda, Voa, Nada, Rasteja.

Cada elementos de uma desses quinários podem ser desdobrados em outros cinco e assim sucessivamente: Existem cinco tipos de Nado: Craw, Borboleta, Peito, Costas e Cachorrinho, assim como existem cinco tipos de marcha, cinco tipos de flutuação, e assim por diante.



********************

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!